Recuperação de Nascentes da Lagoa da Pampulha.

05 de dezembro de 2015.

Recuperação de Nascentes. Recuperar: verbo transitivo que significa recobrar o que foi perdido. Adquirir novamente.

Na última quinta-feira (03/12/2015) foi apresentado um catálogo contendo informações sobre os mananciais localizados em Belo Horizonte e Contagem. E mananciais significa: nascentes. O assunto é conhecido de todos, pois a falta de água, seca no sudeste, Barragem de Mariana, racionamento, água potável, recursos hídricos, morte de rios e afluentes, são termos utilizados diariamente nos noticiários, mas talvez, e somente talvez, os governos, instituições, ONG’s, sociedade civil organizada (e até a desorganizada), entendam agora o real significado do discurso “preservar para não faltar”.

É que o planeta terra tem lá a sua capacidade de renovação (resiliência), porém em seu tempo geológico próprio; e pode ser que renovação não signifique volta ao estado original e sim uma dinâmica ecológica nova, moldada pelo clima, pelas pressões diversas, enfim. O que interessa nessa história é que se o “preservar para não faltar” continuar vazio de significado, os recursos naturais dos quais o homem usa e abusa irão faltar mesmo: pela exaustão do seu uso ou pela podridão que se encontrarão (e assim já estão) através dos processos de degradação impostos, por nós humanos, aos ambientes. Veja a imagem (créditos: Marcelo Prates/Jornal Hoje em Dia) anexada a essa matéria.

Então recuperar nascentes de uma bacia hidrográfica significa mudança de hábitos das pessoas e, dessa forma, talvez mais importante que identificar e georreferenciar as nascentes da bacia da Pampulha, revegetar e melhorar as área de recarga, o mais importante, ou tão importante quanto, seja a Educação Ambiental, com iniciais maiúsculas.

A matéria veiculada no em.com.br, intitulada Nascentes da Bacia Hidrográfica da Lagoa da Pampulha serão recuperadas  aponta uma iniciativa melhor que aquela de retirar sedimentos da lagoa a cada período eleitoral.

A Biosfera apoia e tem grande interesse em discutir sempre os problemas que envolvem nossos mananciais. Resta então a pergunta: e a bacia da Vargem das Flores? Ninguém lembrou dela não!?